Saúde Menos é mais

Publicado dia 18 de maio de 2017 | escrito por Talita Ramos

Diabetes: a doença que atinge grande parte dos brasileiros

Já pensou em nunca mais poder comer um pedacinho sequer do seu doce preferido ou ter que, todos os dias, tomar uma picadinha de injeção na barriga? Pois, infelizmente, esta é a realidade de cerca de 13 milhões de brasileiros, que, segundo dados do Ministério da Saúde, sofrem com a diabetes.

Para quem não sabe, essa é uma doença que ocorre quando o pâncreas não consegue mais produzir quantidades suficientes de insulina (hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue) ou quando existe alguma falha em sua produção – o que faz com que o nível de glicose na corrente sanguínea fique alto, trazendo sérias consequências para o organismo como: alterações visuais, prejuízo da função renal, problemas vasculares e neurológicos, que, quando não controladas, podem resultar na amputação de membros, alterações cognitivas e até um aumento do risco de fraturas ósseas.

diabetes

Vamos entender a diabetes?

A doença se divide em dois tipos:

Tipo 1 – Acontece quando o pâncreas deixa de produzir a insulina, fazendo com que o açúcar que deveria ser gasto como fonte de energia, fique no sangue. Geralmente, surge durante a infância, e pode ser controlada com a aplicação de insulina, reeducação alimentar, exercícios físicos e medicamentos.

Tipo 2 –  Ocorre quando o corpo não consegue fazer uso correto da insulina. Costuma aparecer em adultos, atingindo aproximadamente 90% das pessoas que sofrem da doença e também pode ser controlada com o uso de insulina, medicamentos, exercícios físicos e reeducação alimentar.

Além destes dois tipos, também podem ocorrer a pré-diabetes, que serve como um sinal de alerta, por mostrar que níveis de glicose no sangue estão mais altos do que o normal, e que pode ser revertida (aqui é a hora de dar um breque no excesso de açúcar, amigos) e a diabetes gestacional, que surge durante a gravidez devido às alterações hormonais da gestação, mas costuma desaparecer após o parto.

obesidadeObesidade

Além de fatores genéticos, pressão e colesterol altos, a obesidade também é uma das causas do aumento da doença na população. “A incidência do diabetes está aumentando em todo o mundo. Isso pode ser explicado pelo excesso de peso da população, principal fator de risco para o seu desenvolvimento. Quando existem familiares com diabetes a chance de desenvolver a doença é ainda maior”, explica a médica endocrinologista do Hospital VITA Daniele Tokars Zaninelli.

Prevenção e tratamento

A diabetes não tem cura, mas a prevenção é fundamental para evitar o problema. “Pessoas com risco elevado devem ficar atentas, pois é possível prevenir o desenvolvimento da doença. Se o diabetes já estiver instalado, a detecção precoce e o tratamento adequado previnem suas complicações. Não devemos esperar pelos sintomas característicos da diabetes, como perda de peso repentina, aumento do apetite, da sede e da vontade de urinar, pois, quando os sintomas aparecem, ela já está descompensada. Nesse caso, pode-se afirmar que houve um atraso de cerca de 10 anos em seu diagnóstico”, afirma Daniele.

“Muitas vezes, a oportunidade de prevenir tais complicações é perdida, pois as pessoas têm medo de realizar os exames, pensando que se receberem o diagnóstico terão que fazer grandes restrições no seu dia a dia, o que não é verdade. As recomendações quanto à alimentação e exercícios físicos são as mesmas utilizadas para a população geral, ou seja, prioriza-se a manutenção de um peso saudável por meio de alimentação equilibrada, além da prática regular de exercícios físicos.”

“O segredo está em planejar e organizar as refeições, com melhores escolhas alimentares e atenção às quantidades consumidas. Uma série de medicamentos têm sido desenvolvidos, possibilitando o controle adequado dos níveis glicêmicos. Em conjunto, essas medidas têm diminuído a mortalidade e melhorado a qualidade de vida dos pacientes diabéticos”, completa a médica.

 

Agora que você já sabe um pouco mais sobre a diabetes e suas consequências, que tal começar a se cuidar, fazer um acompanhamento médico e mudar de vida? Vale a reflexão!

 

Tags: , , , , , , , ,


Sobre



Voltar para o topo ↑